Facebook como Google, Facebook como Twitter

facebook-mobile-app

Segundo Parse.ly, o serviço de avaliação de audiências que trabalha com companhias como Mashable, o Facebook já fornece mais tráfico que o Google aos grandes meios de comunicação.
Segundo explica o seu CEO, Andrew Montalenti, em entrevistas para a Fortune ou Adweek, o tráfico procedente das redes sociais (onde o Facebook pesa mais do que ninguém) representa 43% nos mais de 400 grandes meios que controlam a Parse.ly (Reuters ou The Daily Telegraph, entre outros), enquanto o do Google ronda apenas 38%.

Montalenti atribui a evolução do Facebook como concorrente direto do Google no negócio de busca que colocaram foco no negócio dos conteúdos, detetando que são os grandes meios que criam conversação e valor. Iniciativas junto aos criadores de conteúdo como ‘Instant Articles‘ são evidência. Ainda assim, não visualiza um futuro em que o Facebook seja o dominador das buscas sobre o Google. Principalmente, por causa do alcance global do segundo. No entanto, a tendência aponta para uma posição cada vez mais dominante do Facebook na distribuição de notícias.

De qualquer maneira, é evidente o interesse de Mark Zuckerberg pelo negócio do conteúdo não só através de Instant Articles como de outros complementos. A Bussiness Insider publicou recentemente que estão a trabalhar na criação de uma app para oferecer notícias instantâneas, uma aplicação para telemóveis que cobrirá a secular carência do Facebook neste tipo de histórias e que competiria diretamente, pelo menos em aparência, com o Twitter. Para a colocar em marcha escolheram um grupo seleto de meios. Diz-vos algo?

A segurança e saúde de todos é a nossa prioridade. Por favor, leia atentamente as informações neste link sobre a prevenção da COVID-19 antes de entrar nos nossos escritórios para qualquer visita, reunião ou evento.