Novos usos para o Instagram: o caso do The Economist

O Instagram nasceu para aquilo para que, em princípio, a maioria dos utilizadores o utilizam. É uma aplicação nativa para o telemóvel e o seu uso mais intuitivo e razoável caracteriza-se por colocar fotografias que tirámos há momentos com os nossos dispositivos, sejam elas de cariz pessoal ou profissional.

No entanto, é certo que, desde a aquisição da Instagram pelo Facebook em 2020, alguns aspetos desta rede social têm vindo a mudar para adaptar-se à concorrência. Por exemplo, quando lançaram as Instagram Stories, suspeitosamente semelhantes às do Snapchat.

Mas há algo comum a todas as redes sociais: uma coisa é para a qual elas nascem e outra, muito diferente, é como os utilizadores acabam por utilizá-las. Talvez o caso mais paradigmático seja o Twitter, que está em constante evolução e até lança novas funcionalidades, dependendo do uso que os utilizadores fazem da ferramenta.

É isso que está a acontecer com o Instagram. Segundo o The Guardian, são os millennials e os membros da Geração Z (mini guia para não se perder com estes termos) que começam a utilizar a segunda rede social do mundo (terceira se considerarmos o Youtube como uma rede) como fonte de informação. Isto foi visto muito claramente nos Estados Unidos, por exemplo, nas semanas dos motins raciais após a morte de George Floyd.

Mas a tendência vai muito mais longe: estudos dizem que cidadãos norte-americanos entre os 18 e os 25 anos foram informados sobre a pandemia do coronavírus através de três redes sociais que os mais velhos nunca utilizariam para tal: o Tik Tok, o Snapchat e, primeiramente, o Instagram. Poderíamos tirar muitas conclusões e chegar a hipóteses complicadas, mas há duas ideias muito fáceis de extrair: por um lado, a imagem (principalmente o vídeo) e o seu imediatismo; a segunda é que os jovens usam as SUAS redes sociais para se informarem, porque é onde estão os seus conhecidos e onde tecem as suas redes de confiança. E se quiser influenciá-los, ou se os meios de comunicação convencionais os quiserem informar, então também terão que reforçar aí a sua presença. E fazê-lo bem para serem bem recebidos.

O problema visto pelos peritos interrogados pelo The Guardian sobre estes canais de informação é extensível a qualquer rede social: polarização política e notícias não verificadas. A desconfiança, por vezes compreensível, dos meios convencionais pode fazer com que o leitor relutante caia em informações muito mais tendenciosas e por vezes interessadas. Devemos também ter em mente, como salienta Amelia Gibson, professora na Universidade da Carolina do Norte, que cada um de nós vive numa bolha ou ecossistema informativo em que os algoritmos estão sempre a tentar provar que estamos certos.

 

Ismael Nafría fornece-nos um compêndio de informação sobre o trabalho que está a ser realizado pela equipa de Social Media do The Economist. À primeira vista vemos que estão a fazer um bom trabalho em todas as frentes: utilização de aplicações, formato de vídeo como promoção para artigos e podcasts, Facebook Live para diretos, imagens, incluindo peças animadas, newsletters como chave para a sua relação com os leitores e, claro, Instagram.

Sobre a sua experiência com o Instagram, Kevin Young, Gestor de Audiências do The Economist, diz-nos no Medium que esta rede social foi fundamental no crescimento digital do seu meio e que lhes tem permitido chegar a uma nova geração, diferente do seu leitor habitual.

Esclarecer neste ponto que este trabalho de toda a equipa de Social Media do The Economist não é novo. Há anos que trabalham em redes sociais, não fazendo apenas as coisas básicas no Facebook e Twitter, e explorando as possibilidades oferecidas pelo Snapchat e Instagram, (falámos sobre isso aqui), entre outras. A sua intenção sempre foi atingir novos públicos e, de acordo com Kevin Young, foram bem-sucedidos. Atingiram recentemente os cinco milhões de seguidores no Instagram, que além disso, são muito pró-ativos, abrindo a aplicação uma média de 35 vezes por dia.

Sobre o tipo de conteúdo, Kevin Young diz que tiram proveito do seu jornalismo escrito, mas obviamente a força do Instagram é aproveitar ao máximo o conteúdo visual, tais como fotos, gráficos, ilustrações, infografias e vídeos. Apresentam conteúdos exclusivos e de qualidade (incluindo imagens de grandes fotógrafos) e utilizam tanto o feed principal como o formato Stories. Dos cinco milhões de seguidores, estima-se que três se encontrem no segmento dos “jovens” e a verdade é que, embora estejam a trabalhar há anos, o crescimento em 2019 e 2020 foi enorme.

Veja por si mesmo o trabalho desta equipa. Procure @theeconomist no Instagram ou siga este link.

A segurança e saúde de todos é a nossa prioridade. Por favor, leia atentamente as informações neste link sobre a prevenção da COVID-19 antes de entrar nos nossos escritórios para qualquer visita, reunião ou evento.