Podem as newsletters ser o futuro do jornalismo independente?

Num dos últimos artigos, em que decidimos abordar o tema das newsletters começámos por defender o formato de uma forma geral e previmos um futuro promissor para os mesmos, descrevendo as diferentes utilizações que podem ter. Mas, como a realidade é persistente, fomos conduzidos de forma inexorável para o tema do jornalismo, e especificamente para as newsletters de jornalistas independentes.

Nessa altura, também falámos sobre a Substack, uma ferramenta bastante interessante para a criação de newsletters. A especialização é precisamente o seu ponto forte, ao ajudar a colocar em prática uma iniciativa pessoal baseada na elaboração, difusão e, num dado momento, na rentabilidade de um boletim informativo. Entretanto, outras ferramentas bastante conhecidas para encontrar mecenas dispostos a apoiar os criadores, como a Patreon, cobrem uma vasta gama de projetos.

Também assinalámos alguns exemplos de newsletters lançadas por jornalistas, mas agora estamos a dar mais um passo em frente ao confirmar que os casos de profissionais que não só tentam compatibilizar a presença da sua newsletter própria num grande meio, mas também os que dão um salto definitivo para a independência total, não são novos. Neste artigo do The New York Times apresentam-nos exemplos novos e interessantes. Por exemplo, Casey Newton, que deixou The Verge, onde escreveu sobre tecnologia e indústria durante 7 anos, para lançar do zero um novo boletim informativo. Ele pensa que será cada vez mais provável que as pessoas apoiem, de forma financeira, os seus jornalistas favoritos ( youtubers ou podcasters); embora nos lembremos que ele se refere ao ambiente anglo-saxónico. Se quiser dar uma vista de olhos, o projeto de Casey Newton chama-se Platformer e já tem o seu próprio website onde recolhe assinantes com diferentes planos de assinatura (o gratuito inclui apenas um artigo semanal).

A grande maioria dos jornalistas americanos que se “atiram para a piscina” do trabalho independente fazem-no utilizando a plataforma do Subtack, acima referida. Desde o artigo do jornal de Nova Iorque, foi recolhido um facto devastador proveniente de um estudo da Universidade da Carolina do Norte: em apenas 15 anos, metade dos empregos nos jornais dos Estados Unidos desapareceram. Aqueles que sobrevivem, tiveram as suas condições de trabalho agravadas. Muitos jornalistas, pelo menos aqueles com capacidade de gerar conteúdo próprio, viram a Subtack como um “barco salva-vidas”. Dão-nos exemplos em todas as áreas das notícias: desporto, televisão, economia ou mesmo mais específicas, como no caso da jornalista ambiental Emily Atkin, que produz um boletim informativo sobre o clima: Heated.

A história de sucesso absoluto dentro do Subtack parece ser The Dispatch, um boletim informativo com quinze colaboradores liderados por Steve Hayes, que tem experiência como editor-chefe de um semanário político muito conservador: The Weekly Standard. The Dispatch é um caso curioso, pois começa a ser semelhante a um meio de comunicação social completo, abrangendo três podcasts e oito boletins informativos diferentes. Uma história de sucesso que conta com 100.000 assinantes, 18.000 dos quais pagam, que são “responsáveis” pela grande parte dos 2 milhões de dólares que faturam anualmente.

No The Washington começam um artigo sobre o tema citando também Emily Atkin, que comentou com eles que a determinada altura decidiu que não lhe compensava continuar a escrever para um meio como a revista The New Republic. Esta é outra história de sucesso na Subtack, que recorda mais uma vez a importância que esta plataforma está a ter. O jornal na capital dos EUA também nos dá uma série de exemplos de jornalistas que dão esse passo. Destacamos o de Matt Taibbi que deixou a prestigiada revista Rolling Stones para tentar sobreviver por conta própria. Ele parece estar num bom caminho.

O que está a acontecer? Por um lado, temos a crise dos meios de comunicação convencionais, que nem sempre transferem “a atividade de uma vida inteira” para a Internet. Por outro lado, temos o aparecimento de ferramentas muito interessantes para o do it yourself; onde se tornou bastante claro qual é a melhor neste campo, ou pelo menos a mais utilizada. E finalmente, pretendemos fornecer informações precisas e independentes por parte de alguns jornalistas. Algo que, dependendo completamente da publicidade, é francamente difícil. No entanto, se o seu apoio são as quotas dos seus seguidores, deve-o única e exclusivamente a eles.

Terminamos com uma ligação em espanhol, (esta tendência vem, como quase todos, dos Estados Unidos). Patricio Contreras, jornalista e professor universitário de narrativas digitais e jornalismo empresarial, pensa que “a Subtack não vai salvar o jornalismo, mas vai salvar alguns jornalistas. Ele assinala, e nós concordamos inteiramente, que a grande maioria das newsletters que operam nessa plataforma são escritas em inglês. É o mesmo problema enfrentado pelos criadores que optam por rentabilizar os seus esforços através de Patreon ou Medium: confiam sempre em ferramentas criadas nos Estados Unidos, principalmente destinadas à utilização em países de língua inglesa, e que em alguns casos nem sequer são traduzidas para outras línguas.

Patricio Contreras recomenda-nos a não exagerar na importância da Subtack, depois de reconhecer que ele gosta da plataforma e do seu funcionamento. Ele tem razão, uma única ferramenta não pode salvar o jornalismo. A questão de um milhão de euros é, se for prognosticador, se o jornalismo tem futuro, e se é moderadamente otimista, que outras opções tem o jornalismo para continuar a fazer o seu trabalho indispensável?

A segurança e saúde de todos é a nossa prioridade. Por favor, leia atentamente as informações neste link sobre a prevenção da COVID-19 antes de entrar nos nossos escritórios para qualquer visita, reunião ou evento.